A logomarca é composta por três ícones: O Bom Pastor, o Cordeiro e um Cálice com a Hóstia. A representação final do desenho é a do Bom Pastor, segurando o cajado, abraçando o cordeiro e, com o dedo indicador, apontando para Jesus Eucarístico.

O movimento também pode ser representado pela imagem de Jeuss Bom Pastor, que vai atrás de suas ovelhas. Já que é um movimento que visa inserir o jovem na caminhada cristã, buscando as “ovelhas” que andam perdidas, saindo da área de conforto para salvar sua alma.

Desde abril deste ano, o Conselho Nacional tem encaminhado para os Conselhos Arquidiocesanos um caderno de instruções para o uso da marca. A norma geral destaca que não deve haver adaptações sobre o que está sendo encaminhado.

Oficialmente, todos os núcleos ativos do Distrito Federal utilizarão na identificação do lugar, o nome Brasília/DF. Para os núcleos que já confeccionaram material com o nome da Região Administrativa ou o nome da Paróquia, solicita-se a adequação conforme o padrão adotado a partir do próximo encontro (2018). Aos núcleos que ainda estarão preparando, desejamos a pronta adesão.

 

Para entender e seguir em unidade:

 

A Capital Federal, Brasília, tem um estatuto único no Brasil, já que é uma divisão administrativa distinta de um município legal, como outras cidades brasileiras. A palavra “Brasília” é usada como um sinônimo do Distrito Federal; no entanto, o DF é composto de 31 regiões administrativas, das quais apenas uma é o centro da cidade: a Região Administrativa I, que é basicamente formada pelo Plano Piloto. Publicações demográficas geralmente não fazem esta distinção e listam a população brasiliense como sinônimo da população do DF, considerando-se o conjunto como uma única cidade, como era antes da criação de regiões administrativas em 1964.

O Distrito Federal, portanto, acumula características de município e estado, sendo que as suas outras regiões administrativas, também chamadas “cidades-satélites“, não são tratadas como municípios e é por esse motivo que as placas dos nossos automóveis também não são identificados conforme a RA de moradia do dono do veículo. Recentemente, para facilitar o endereçamento nacional, os Correios passaram a denominar as RAs como bairros.

Na última década, tornou-se comum no DF a utilização da logomarca do Segue-me com o nome do núcleo ou da localidade onde está o núcleo. Neste momento de adaptações, a coordenação do Conselho repensou esta condição e concluiu que com a distinção por RAs,o termo conselho Brasilia poderia tornar-0se confuso sobre qual área de atuação já que Brasília estaria restrito à parte central;ainda nas reflexões antes da tomada de decisão, talvez nem deveríamos celebrar os trinta e oito anos do movimento em Brasília, afinal, seguindo a estratégia geograficamente equivocada, somente a região administrativa do Guará poderia comemorar a data.

Para seguirmos orgulhosos da nossa história, continuarmos representando bem o Segue-me da nossa cidade e ainda nos identificarmos como o movimento que caminha juntos, usaremos a estratégia do nome da nossa Arquidiocese.

Assim, somos e continuaremos, todos, Segue-me Brasília.