Escrito por  23/02/2017

Fercal recebe a II Caravana do Segue-me Brasília

Fé transformada em gestos

 Fercal recebe a II Caravana do Segue-me Brasília

“Pois aquele que se aproxima de Deus deve crer que ele existe e que recompensa os que o procuram” (Hb 11. 6b). Essa foi a passagem motivadora que seguidores de todo o Distrito Federal levaram aos moradores carentes da região da Fercal, região administrativa a 30 Km do Plano Piloto. Para alguns núcleos, o percurso até a cidade não era tão longe, mas para todos o que falou mais alto foi o chamado de evangelizar, sem importar com os obstáculos.

A manhã do último sábado (18) foi bem diferente para cerca de 75 jovens e tios seguidores. Eles se dispuseram a sair de casa, ainda com o sol raiando, e ir para Fercal. Esse foi o início da II Caravana realizada pelo Segue-me Brasília. A missão não foi apenas a entrega de roupas, brinquedos e mantimentos, mas também mostrar a recompensa da fé em Jesus Cristo.

Foram 26 famílias atendidas nesta ação social, que levou meses de organização e contou com uma equipe especial para coordenação. “No total, foram 130 pessoas atendidas, com duas cestas básicas por família, roupas, brinquedos e outros itens”, esclarece a tia Lili do tio Cássio, que foram os responsáveis por conduzir a preparação da Caravana. “É como o Evangelho fala, ‘estava nu e me vestistes’, foi assim que me senti realizando esse gesto nesses bairros carentes”, partilha Tia Lili.

O dia começou bem cedo para todos. O ponto de encontro foi às 7h da manhã no Posto Contagem, em Sobradinho, para juntos seguirem até a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, onde a missa foi celebrada às 8:30 da manhã. “Tenho que primeiramente dizer obrigado aos jovens por esse trabalho”, agradece o pároco Oscar Alvez. Ele está há duas semanas na comunidade da Fercal. “Essa ação é levar a Palavra como Jesus levou, conhecendo as realidades. É um valor concreto e espiritual”, afirma o padre.

Logo depois da missa, os seguidores receberam um lanche reforçado para começar a jornada missionária pela Fercal. Foram quatro grupos que se dividiram para entregar os alimentos, fazer a partilha da Palavra e ouvir os moradores. “Em uma das visitas, percebi que uma senhora precisava ser amada. Os alimentos ajudaram, mas era a nossa presença que ela precisava mais”, conta o jovem Victor Hugo, 23, da Paróquia São Judas Tadeu (Taguatinga). Alessandro, 28, da mesma paróquia diz que é um exercício de humanidade. “Deixar o amor de Deus com gestos simples, um sorriso, um abraço. A visita é o mais concreto que podemos fazer”, comenta Alessandro.

A atividade foi enriquecedora até para jovens do Conselho Arquidiocesano. “Não pude ir à primeira caravana. Participei sem lembrar que sou o jovem coordenador”, conta Paulo Melo. “Foi incrível ver o amor de Deus se manifestando nas pessoas. Fiquei feliz em ver o movimento saindo das próprias fronteiras, evangelizando e vivendo a Palavra de modo extraordinário” completa Paulo, coordenador jovem.

A jovem coordenadora geral do Segue-me Brasília, Flávia Andrade, se diz contente pelo trabalho realizado na Fercal, não somente pelas doações, mas pela aproximação com o amor de Cristo. “Hoje, fui como seguidora apenas, uma vez que tínhamos jovens e casais que coordenaram muito bem toda a atividade”, elogia. “Fico feliz porque vejo um crescimento lindo nessa parte social do Segue-me. Nossa missão é evangelizar”, afirma Flavinha.

Visitas ­–Foi fácil ouvir entre os participantes do gesto concreto o quanto foi enriquecedor espiritualmente entrar nas casas. Muitos afirmaram que saíram mudados delas. Foi o caso da seguidora Janara Hott, 22, da paróquia Santa Rita de Cássia.  “É o que todo mundo fala, a gente recebe mais do que dá”, conta a jovem.

O grupo dela visitou cerca de 10 casas no bairro do Engenho Velho, mas a mãe Ana Paula e o filho Kevin, um adolescente especial, foi a que mais marcou a seguidora. “É uma criança que exige 100% da atenção da mãe. E ela demonstra fazer tudo com muito amor. Mesmo com as dificuldades, ela soube ter o filho com alegria”, diz Janara.

Kevin foi um dos casos que mais emocionou os participantes do gesto concreto. Ele nasceu com hidranencefalia, que é a ausência dos hemisférios cerebrais. “Os médicos descobriram com seis meses de gravidez e já me encaminharam para realização do aborto. Eu recusei”, a mãe conta emocionada. “Tudo o que eu queria era segurar meu filho no colo, independente da situação dele” Ana Paula relembra quando ficou no hospital.

Apesar de ser desacreditada pelos médicos, ela não perdeu a fé. “Eles deram até 1 ano de vida para o meu filho”, revela a mãe. E para a surpresa de todos, Kevin estava fazendo aniversário de 13 anos no dia da Caravana. Ana Paula não trabalha para poder cuidar do filho. “Eu não confio em mais ninguém. Tem que ter muita paciência”, explica ela. Por isso, a visita da Caravana veio em uma boa hora. “É uma honra receber tantos jovens na minha casa. Isso nos incentiva a procurar mais a igreja”, conta a mãe.

A alegria dos moradores era contagiante em muitos casos. Como o morador Antônio Carlos, ministro da eucaristia na paróquia, que deixou uma mensagem para os jovens. “A fé tem que ser traduzida em gestos concretos ou então não é fé. A juventude precisa de exemplos”, destaca Antônio.

Os testemunhos dos participantes são inúmeros. Isabella Sousa, 20, do núcleo Santa Rita de Cássia, também comenta o quanto é gratificante. “Eu nunca vou esquecer a dona Maria, que falou para nós que o maior presente que ela estava recebendo era poder olhar pra nós na casa dela, ela nos acolheu como acolheria o próprio Jesus”, partilha a seguidora. O grupo dela percorreu o bairro do Bananal. “Eu amei a Caravana e a oportunidade de conhecer tantas histórias, aquelas pessoas sempre estarão em minhas orações”.

A ação não se limitou às casas das famílias carentes que tinham sido listadas. O senhor José Nunes, conhecido como Coronel, viu as missões acontecendo e logo pediu que os jovens visitassem a casa dele também. “Eu fiz visitas em vários bairros quando eu podia”, explica seu José, que está mais debilitado por conta da idade. O momento foi de muita partilha e oração.

Maria das Neves, 69, é a moradora mais próxima da Paróquia, literalmente do lado da igreja. Ela foi a primeira a receber a visita. Quando a leitura da passagem foi feita, ela disse. “Isso está em Hebreus, não é? Eu leio sempre isso para me dá forças”, revela a senhora. Ela conta que as doações vieram em um momento de necessidade, porque já estava sem nada em casa. Coincidências a parte, ela ficou muito feliz em receber todos. “Os jovens de coração bom rejuvenescem a gente. Principalmente, os jovens de Deus”, afirma Dona Maria.

Preparação- O mapeamento das famílias carentes foi feito pelo casal Cida e Erisvaldo que juntamente com a Pastoral Familiar e a Pastoral da Criança, localizaram as famílias em quatro bairros: Bananal, Boa Vista, Engenho Velho e Curvas. “Com a ajuda da paróquia, destacamos as casas que precisavam mais, visitamos e separamos brinquedos, roupas e alimentos de acordo com as idades e tamanho de cada membro da família”, explica tia Cida.

A II Caravana teve seus trabalhos iniciados em outubro de 2016, com a criação da equipe organizadora e também com o início da arrecadação das doações. Os jovens que fizeram o Retiro Arquidiocesano no ano passado foram separados em grupos para arrecadar variedades de doações. “Esse dia foi a concretização do retiro para mim, que desde então estávamos buscando e juntando os mantimentos”, conta a jovem Maria Oliveira, 21, do núcleo São Judas Tadeu. Ela foi uma das participantes do retiro no ano passado. “É como diz a música ‘aonde mandar eu irei’”, completa a seguidora.

Eles se comprometeram em arrecadar diversos tipos de doações dessa Caravana, mas todos os seguidores foram convidados a levar alimentos para Missa de 37 anos do Segue-me em 2016. “Concentramos as doações nessa missa porque é o evento que mais reúne jovens de diversos lugares”, conta tia Lili.

A Caravana se mostra mais especial na Fercal por um detalhe. Neste ano, ocorrerá a implantação do Segue-me na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, a mesma que ajudou na organização do evento. “É bom para mostrar o trabalho em equipe, a realidade da comunidade e a energia do jovem”, ressalta o tio Lucas Pereira, um dos dirigentes.

O Padre Oscar compartilha da mesma opinião. “É importante que os jovens estejam envolvidos em um trabalho em grupo, ainda mais na parte missionária, que vem sendo esquecida”, destaca o pároco. “É um trabalho muito positivo”, finaliza. A implantação vai acontecer nos dias 10, 11 e 12 de novembro.