Escrito por  07/06/2017

Baú do Seguidor: Ritmo... é ritmo de festa...

Ritmo... é ritmo de festa...

Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne...

Gálatas 5:13

 

Durante a década de 1980, quanto mais jovens o Encontro de Jovens com Cristo - Segue-me conseguia despertar, maior também era a curiosidade de outros tantos da mesma idade. A linguagem, a identidade definida, a alegria que já chegava aos grandes colégios, parques e atividades paroquiais passaram a manifestar-se também em festas.

As primeiras festas eram feitas em casas, acompanhadas pelos casais do ECC que eram mesmo os tios, amigos dos pais. Diversão garantida com a presença de violeiros, contadores de anedotas, jovens bonitos. Eram maneiras de manter os seguidores próximos, interagindo, divertindo-se de maneira saudável.

Corriam as histórias. Os núcleos iam crescendo. A fama das festas também. Já nos anos 1990, as comemorações passaram a ser mais esperadas do que muitos dos Encontros. Vários, mesmo sem saber se era ou o que era uma “festa do Segue-me” adotavam tons pejorativos para caracterizar eventos ou os próprios seguidores nas paróquias. Alguns padres chegaram a suspender atividades e por hora até o próprio núcleo deixou de existir.

Já no novo milênio e contando apenas com o bom senso dos responsáveis pelo movimento nos núcleos para a realização de comemorações, surgiam orientações, recomendações, sugestões; e quase sempre apontando para a não realização de eventos festivos.

Em 2001, um núcleo em implantação, tinha a frente um divertido padre. Entusiasmado com o processo em curso e com os primeiros resultados do encontro realizado, quis logo saber como aconteceria o pós encontro. Na ocasião, a implantação era ligada à uma paróquia madrinha. Informado sobre os procedimentos de acompanhamento e preparação para o próximo encontro, o padre, sem saber do histórico e das polêmicas sobre o tema “festas”, propôs:

- Vamos fazer uma festa para os jovens que fizeram o encontro e para todos os outros, dos outros grupos que poderão participar do Segue-me no futuro.

Muito sem jeito, os interlocutores que conheciam as orientações de outros padres e do Conselho Arquidiocesano, tentavam desfazer da ideia. Com muita insistência e convicção do padre, foi marcada a festa. Seria em um sábado, a partir das 21h. Músicas conforme a escolha da juventude.

Com o coração apertado e muitos resmungados, os seguidores que acompanhavam a implantação chegaram no local. As luzes, o som, a quantidade de pessoas... tudo parecia um grande equivoco. Logo após o primeiro encontro, já haveria motivos para descaracterizar o sentido evangelizador.

Já dentro do ambiente da festa, mesmo antes da recomendação da Arquidiocese, nenhuma bebida alcoólica. Jovens dançavam, cantavam e entre todos eles, o padre. Os seguidores contrários a realização da festa agora estavam boquiabertos. Como era possível? Como podia estar tão divertido?

O padre não dançava, não pulava, mas sorria com o sorriso mais contagiante. Exatamente as 23h, o padre aparece junto ao dj e pega o microfone. Ao final da música que tocava ele faz uma pergunta aos seus jovens:

- Estão gostando, juventude de Deus? E um sonoro e inesquecível SIM ecoou pelo salão. Então, ele continuou: - Vamos agradecer rezando um pai nosso.

Muitos ajoelharam. Todos rezaram. Não tinha como não ficar surpreso. Após uma sequencia de orações, o padre apontou para os casais e jovens da outra paróquia (os padrinhos) e disse aos festeiros: Aqueles ali que estão trazendo o Segue-me para a nossa comunidade e estão esperando vocês ao final da festa. Vão acompanha-los até em casa. São os nossos anjos da guarda. Aproveite-os.

Assim, o nosso medo transformou-se em esperança. A desconfiança virou alegria. A certeza de que o Bom Pastor conduzia e conduz o nosso trabalho confirmou-se.

O Padre Raimundo Serafim, personagem deste baú, faleceu em 2015 e hoje acompanha os jovens que vivenciaram esta história junto de Deus Pai. Os muitos seguidores que testemunharam esta e outras festas, jamais esqueceram a alegria e a satisfação de participar de momentos tão marcantes para o Segue-me e apara a sua própria história. O núcleo implantado, São José Esposo de Maria, está prestes a completar 16 anos de existência e tem dado bons frutos desde sempre. São muitos os jovens seguidores que atuam em diversos setores do movimento, incluindo a atual jovem coordenadora do Conselho Arquidiocesano do Segue-me DF (Flávia Andrade).

Que o Bom Pastor conduza o caminho de todos os seguidores, no Segue-me, na comunidade, no trabalho, na escola, nas festas. Que São José seja exemplo e o intercessor de uma juventude cada vez mais sedenta pela verdade e pela vida no Amor de Cristo.

“Não é pecado divertir-se de maneira saudável. Baladas não estão entre as coisas que “não convêm”. O que não convém é pecar. Não peque, seja numa balada, seja em qualquer outro lugar. O pecado não convém”

 

#baudoseguidor #contesuahistoriaquenosespalhamospravoce #preparaparaosquarenta #niguemseguraopadreorestes

#seguemebrasiliatrintaeoito #seguemebrasil